Os destemperos de Marcelo Hermes-Lima na UnB

“O que mais preocupa não é o grito dos violentos, nem dos corruptos, nem dos desonestos, nem dos sem ética. O que mais preocupa é o silêncio dos bons”.

Martin Luther King

Que o Marcelo Hermes-Lima é um completo imbecil isso todo mundo já sabe! Difícil é saber qual será o seu limite e, mais do que isso, se o limite será dado por uma tragédia ou por alguém disposto, finalmente, a explicar ao ignorante, sob a ética da sociabilidade ou por força de lei, que liberdade de expressão não pode ser utilizada como sinônimo de intolerância. Bem, só pelo início desse texto já dá pra perceber que se você quiser ler um artigo, seu lugar é uma base de dados que não seja esse desabafo. Já faz muito tempo que esse senhor, misto de caduco com prepotente, apronta das suas pela Universidade de Brasília. Impossível num só texto falar de todas as suas idiotices, mas vamos centrar nossa atenção em três pontos: os movimentos políticos de eleição da UnB, incluindo o pleito da ADUnB 2012 (Sindicato dos Docentes da UnB), a contribuição para posturas intolerantes e as perspectivas para a universidade caso ele continue agindo da mesma forma.

Fiquei profundamente revoltado ao ser informado por um Professor da UnB que no blog de Marcelo Hermes-Lima (MHL) havia a foto de docentes que concorrem pela Chapa 2 – ADUnB pra Valer (oposição à atual gestão que concorre pela Chapa 1, defendida por MHL) colocados de forma completamente debochada. Para deixar claro a agressão de Marcelo, acesse a matéria clicando aqui:

http://www.cienciabrasil.blogspot.com.br/2012/04/conhecam-madrinha-da-chapa-2-que.html

Confesso que tive que me conter para não dizer o que MHL merece, ao acessar o blog e ver a foto da Professora Raquel Moraes, que me orientou na graduação e uma das pessoas mais brilhantes na Faculdade de Educação, sendo ultrajada na internet. Com toda a parcimônia e a orientação humanista que a UnB preconiza nos princípios de seu Estatuto (Art. 4º, VI), tentei ser o mais científico possível para escrever um texto de forma fenomenológica e não me envolver emocionalmente ao tratar de MHL. Não consegui! O canalha do Marcelo Vermes foi capaz de tirar uma foto de professores após um debate das chapas que concorrem à ADUnB para exercer o seu direito de fofoca e pressupor que é uma chapa da Reitoria, pelo fato de docentes da chapa 2 estarem conversando com a Professora do Departamento de Serviço Social Nair Bicalho, esposa do Reitor. E ainda disse que um professor ficou de costas porque não queria sair na foto. No mínimo o retardo mental de Marcelo Vermes é tão grande que ele gostaria que os professores virassem a cara para a Professora Nair Bicalho, para não serem chamados de Chapa da Reitoria, ou em última instância que virassem e fizessem pose para a foto que iria sair numa latrina virtual que o editor insiste em chamar de blog.

Essa não é a primeira vez que MHL apronta das suas. Ainda nessa eleição, pegou a foto da Chapa 2 e fez montagens, indicando com setas apontadas para os professores quem eram os comunistas ou outras denominações bizarras que ele considera indiscutíveis. Na última eleição da ADUnB foi a mesma história: argumentação rala e despolitizada, chegando a apontar para a Professora Marcela Soares, também do Departamento de Serviço Social e uma das componentes da chapa, como sendo uma pessoa bonita. É o máximo de política que MHL consegue ver numa disputa para um sindicato de docentes da maior universidade pública do Centro-Oeste e uma das maiores do país!

O que acontece é que MHL alimenta esse tipo de postura intolerante na universidade. Na greve dos técnicos-administrativos de 2010, chamou os trabalhadores de vagabundos, isso porque estavam lutando, dentre outras coisas, para não perderem uma gratificação (URP) que representa “somente” 26,05% de um salário que já é o pior de todo o Executivo. Não é raro ver em seu blog ataques à determinadas manifestações na universidade, como de grupos LGBTTT, coletivos negros e atos pela democratização dos espaços de decisão da UnB, como a eleição paritária para reitor. Definitivamente MHL é um inimigo da democracia e um catalisador de ações de intolerância dentro do ambiente acadêmico. Não por ser contra a paridade, mas por pregar o ódio à estudantes e técnicos-administrativos que exigem o mesmo peso na eleição pra reitor. Não por ser contra o sistema de cotas, mas por fazer piadas racistas que sugerem ser o(a) negro(a) sujeito de segunda ordem. Não por combater comunistas (até porque nunca leu David Ricardo, Friedman ou Keynes para dizer que o capitalismo é bom e mesmo que lesse é muito burro para compreender), mas por achar que o caminhão de som do SINTFUB e os atos de movimentos de esquerda da universidade devem ser repreendidos com a força policial. MHL é um arauto de qualquer voz que queira voltar ao tempo da ditadura e resolver as manifestações da questão social de forma unilateral, sem discussão e se possível (e incentivado) partindo para as vias de fato!

Adora uma fofoca, um barraco, uma confusão tão baixa quanto o seu lixo cibernético. Na eleição para reitor de 2008, foi o epicentro de dois barracos. O primeiro foi no auditório Joaquim Nabuco, na Faculdade de Direito. O editor “fofocabrasil”, MHL, teve ataque de nervos porque, segundo ele, o Professor da Faculdade de Medicina e urologista João Batista, negro, chamado preconceituosamente por MHL de “João do Dedão”, teria dito para ele “ir tomar seus remedinhos”. Para quem não sabe, foi o próprio MHL que assumiu em seu blog que toma remédios controlados (e que pelo jeito nunca deram efeito algum). Em outro debate, organizado pelo DCE (Diretório Central dos Estudantes), gestão Nada Será como Antes (da qual fiz parte), MHL interrompeu a discussão entre os candidatos gritando “eu não votarei em José Geraldo”. Aquilo foi a alavanca para os indecisos optarem, pelo menos, pela capa do Professor José Geraldo, por não ter alguém tão sujo junto à chapa. Provavelmente ele estava pensando “se eu disser que não voto em José Geraldo, as pessoas irão me seguir, pois eu tenho um blog!”. Doce ilusão.

Certo é que ter MHL atrelado à sua imagem, seja numa chapa para a ADUnB, reitoria ou mesmo num evento de final de ano de servidores do Instituto de Biologia onde trabalha, é a maior encrenca. MHL retira mais votos e, para além disso, mais credibilidade do que o próprio DEM, partido em que se filiou só porque é contra as cotas, uma vez que Marcelo não tem capacidade de debater nem sobre cotas, nem sobre nada relacionado à política. Falando nisso, o STF já julgou as cotas constitucionais e até agora nada daquele blog que parece um cibergibi de pornochanchada anunciar alguma coisa. Deve estar chorando no colo do Demétrio Magnoli.

E quais são as perspectivas que nos trazem as posturas de MHL? Bem, para início de conversa é preciso saber por quê os professores aceitam com tanta cautela. Está se tornando corriqueiro ver fotos de docentes, vídeos de estudantes e ataques à movimentos sociais de forma indiscriminada no blog desse aloprado. Em alguns momentos, MHL parece não saber distinguir entre o ambiente virtual e a vida real. É como se se seu blog, sob o argumento da liberdade, pudesse tudo. Ora, a UnB vive um momento de refluxo no avanço das liberdades de expressão. Por um lado, a liberdade é confundida como uma ferramenta de atacar inimigos políticos de qualquer forma e a qualquer custo. É assim com a Veja, com o DEM, com MHL. Do outro, esse tipo de comportamento incita outras pessoas, reclusas com seus preconceitos, a adotarem atitude semelhante, por achar que a universidade é um território sem regras de boa convivência. Junte essas duas variáveis num ambiente em que cresce a presença de manifestações de intolerância e tem-se uma bomba relógio com um pé no blog “demênciabrasil”.

Por fim, MHL, sei que você irá ler esse texto, e você adora uma câmera. Vai dizer que vai me processar, que foi humilhado, que sofreu dano moral e etc. Rezo para que esteja certo, e para que eu pegue uma pena muito, mas muito grande. Digo isso porque a desgraça de seu blog é um prato cheio para qualquer um que queira te processar por qualquer motivo, muitos dos quais você nem imagina. Se você tem um grupo de pesca submarina, um clube de figurinhas ou um buffet, saiba que MHL já falou mal em seu blog. Nada escapa às garras de sua insanidade e delinquência, e é certo que só não houve algum processo por danos morais contra esse (repito) vagabundo porque as pessoas não querem alimentar a sua fama. Um erro grave na minha opinião, pois como disse anteriormente, MHL incentiva o que há de pior nos seres humanos: o egoísmo, a petulância, a mesquinharia, a indiferença, a violência e sobretudo a inimizade. Como num ambiente acadêmico alguém pode ser tão babaca para tratar seus pares de forma tão oportunista e humilhante, perseguindo-os até em momentos de conversa após um debate? MHL, que de um dia para outro se auto intitulou cientometrista na bíblia da ciência (seu blog), acha que citações no Web of Science podem passar por cima do bom senso das boas relações entre as pessoas. Acha que currículo lhe faz melhor que uma pessoa do MST (Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra), o qual nunca visitou um só acampamento mas tem as mais estapafúrdias teorias sobre o maior movimento social do mundo. Acha que por ter aprendido a falar inglês é uma autorização para poder tratar colegas de trabalho de forma discriminatória. E o problema maior não é MHL dizer tudo isso, mas aceitarem que ele diga.

Bem, ele que se considera o arauto da ética, mesmo no ato de sua filiação no DEM ter sido recebido por um ex-deputado federal que pagava a empregada doméstica com verbas de gabinete, está cada vez mais na parede, daí as agressões serem mais constantes. O discurso de generalizar todos seus opositores como petezada ou comunistas chegam ao fim a partir do momento em que os professores mais conservadores da UnB começam a se organizar para a eleição da reitoria no segundo semestre e já deixam a dica: não aceite de forma alguma ajuda do MHL. Ah, falando nisso, acho que está na hora de te confessar uma coisa. Desculpe mas meu coraçãozinho não aguenta mais esperar. No último debate entre os candidatos a reitor, em agosto de 2008 se não me engano, que ocorreu no Auditório Dois Candangos da Faculdade de Educação, você foi orientado a não ir, até porque já estava desgastando demais a chapa que apoiou, do Professor da Sociologia Michelângelo Trigueiro, com dois barracos nos debater anteriores, já exposto aqui. Bem, como tinham muitas pessoas para intervir, foi realizado o sorteio das perguntas para as chapas. Uma das perguntas sorteadas para a chapa que apoiou foi:

“Esta chapa é apoiada pelo blog Ciência Brasil?”.

O Professor Michelângelo ficou sem jeito de responder, pois viu que todos no auditório riram de ter uma chapa vinculada à um instrumento tão despolitizado como é o seu blog. Pois bem, fui eu quem fez essa pergunta MHL. Fui eu quem naquele momento político da universidade quis localizar não a chapa do Professor Michelângelo, a quem tenho muito respeito, mas o seu blog como sendo algo extremamente nocivo à convivência saudável na universidade. Felizmente, pelo menos naquela eleição, eu consegui, mas devido aos estudos e a ter saído do Movimento Estudantil em 2008, nunca mais quis saber desse lixo virtual, entrando de vez em quando para ver como alguém que se julga superior por um aspecto acadêmico pode ser uma pessoa tão desprezível e odiada dentro e fora da universidade, e olha que falo dos conservadores. Não poderia acabar de escrever esse texto sem aumentar a sua raiva ao revelar isso.

Você sempre será um perdedor MHL. SEMPRE!

Anúncios

Sobre ayanrafael

Pedagogo, Mestre em Educação pela Universidade de Brasília e graduando em Serviço Social pela mesma universidade. Professor de Atividades da SEEDF (Secretaria de Estado de Educação do Distrito Federal).
Esse post foi publicado em Uncategorized. Bookmark o link permanente.

13 respostas para Os destemperos de Marcelo Hermes-Lima na UnB

  1. Rafa disse:

    Eu e muitos amigos gostamos do blog Ciencia Brasil. Concordamos que muitas vezes passa dos limites, mas achamos o único blog que trata de assuntos reais da ciência no cotidiano do cientista. Achamos muito corajosa a maneira direta com que o MHL (que nunca conhecemos pessoalmente) trata de assunto tabus como abuso moral e fraude.

    De qq forma, espero que seu apelo eleve o nivel do Ciencia Brasil de forma que ele fique melhor.

    Curtir

  2. Felipe Melo disse:

    “Que o Marcelo Hermes-Lima é um completo imbecil isso todo mundo já sabe! […] O canalha do Marcelo Vermes […]. No mínimo o retardo mental de Marcelo Vermes é tão grande […] . Para quem não sabe, foi o próprio MHL que assumiu em seu blog que toma remédios controlados (e que pelo jeito nunca deram efeito algum). […] Nada escapa às garras de sua insanidade e delinquência, e é certo que só não houve algum processo por danos morais contra esse (repito) vagabundo porque as pessoas não querem alimentar a sua fama. Um erro grave na minha opinião, pois como disse anteriormente, MHL incentiva o que há de pior nos seres humanos: o egoísmo, a petulância, a mesquinharia, a indiferença, a violência e sobretudo a inimizade.”

    O que separei acima foram alguns trechos da sua postagem. Todos os qualificativos que você utilizou contra o MHL podem ser perfeitamente aplicados a você também em virtude do seu linguajar. Do texto, podemos facilmente afirmar, por exemplo, que você incentiva o preconceito contra pessoas que possuam algum distúrbio ou deficiência mental, bem como contra pessoas que façam uso de remédios controlados. A linguagem virulenta e agressiva que você utiliza também “incentiva o que há de pior nos seres humanos: o egoísmo, a petulância, a mesquinharia, a indiferença, a violência e sobretudo a inimizade”. No afã de criticar a postura do MHL, você cai no mesmo balaio, e isso tira a legitimidade das suas críticas.

    Eu conheço o MHL e concordo que, muitas vezes, ele exagera na dose (eu já disse isso para ele algumas vezes). No entanto, ele está exercendo sua liberdade de expressão, assim como você a exerce criticando-o. Liberdade de expressão não suprime, todavia, a responsabilidade pelo que se fala. Ao contrário: só há efetiva liberdade quando se assume plenamente a responsabilidade pelo que se declara. E é preciso dizer que esse conflito de egos e vaidades é prejudicial, pois nivela por baixo discussões que poderiam contribuir de maneira edificante.

    Curtir

  3. Luis disse:

    Caros,

    Uma coisa é liberdade de expressão para dizer suas opniões outra é distorcer fatos. Sou professor na UFPR, por acaso cheguei no blog do MHL. O que ele está fazendo é denegrir o movimento docente, ofender governo e pessoas. Ao chamar todos de “comunas”, “vagabundos” ele está sim promovendo valores que mais se aproximam do fascismo do que de uma sociedade democrática.

    Como bom cientista, nosso MHL, deveria entender que em política e sociedade também existem fatos e até algumas verdades. Mas elas derivam de métodos de estudos e de aloprações. Então, é irresponsabilidade um professor sair simplesmente dizendo o que acha, sem exercício de crítica.

    Mas por ser pesquisador 1 do CNPq quem sabe se sinta orientador de doutorado de Deus .

    Abraços

    Luis

    Curtir

  4. Queria aproveitar e deixar os parabens pelo blog!!!!

    Curtir

  5. Marcia disse:

    Vc escreveu aqui o que muita gente gostaria de dizer ao MHL. Não tem erro, pode ter certeza! Eu não estou entre elas. Eu estou entre aquelas que só querem que chegue o dia em que MHL tenha que vender seu computador para poder pagar mais uma indenização e consertar mais meia dúzia de dentes quebrados. O problema desta situação é que talvez ele tenha que parar com os remedinhos…

    Curtir

  6. Prezado, eu tive o desprazer de conhecer o tal do blog da ciência! _engraçado… estava navegando na internet lendo sobre o famigerado governo Thatcher e sua política retrógrada do desmonte do Estado de Bem Estar Social na Inglaterra, e me deparei com o pseudoblog do tal do Sr. MHL. _Este nome deve ser uma alusão ao “farol de alexandria”, o excelentíssimo Sr. FHC!
    Para lhe ser franco, eu li uma reportagem que me pareceu bastante plausível, quanto a uma denúncia de uma prática adotada por empresas terceirizadas; porém da maneira que é escrito, sugere que a instituição UNB compactua ou é omissa em desvios de conduta por esta empresa. É necessário pontuar, que a UNB não tem poder de polícia, e mesmo que tivesse, cabe ao ministério público investigar.
    Parabéns pelo seu Blog, espero em data futura contribuir contigo!!
    Forte abraço!
    CV.

    Curtir

  7. Lourenço Prado Brasil disse:

    Caro Rafael Ayan,
    não existe uma maneira legal de tirar este senhor Marcelo Hermes da universidade? No mínimo, ele está comentendo o crime de racismo, nesta matéria que li sobre os indígenas na UNB. http://outraspalavras.net/outrasmidias/capa-outras-midias/laboratorio-indigena/ Não cabe um processo e uma exclusão? a universidade deveria ser o lugar de sabedoria e sociedade mais humanas, e não o contrário.
    Lourenço

    Curtir

  8. samantha disse:

    Prezado Rafael,
    cheguei um pouco tarde a conhecer tanto seu blog como o blog do MHL. Vou te contar como cheguei aos mesmos. Estou começando um blog sobre ciência brasileira (cienciadebaixoimpacto.wordpress.com) e para começar a divulgar o mesmo tentei entrar em contato com os autores de outros blogs de ciência. Assim conheci o blog do MHL. Juro que me assustei quando li algumas poucas partes. Por curiosidade, depois procurei no google “Marcelo Hermes-Lima facista” e chegei ao seu blog.
    Meu deuus… não conheço o MHL em pessoa, mas o cara com certeza é um imbecil.
    Somente para completar, no blog do nazista, tem alguns esculaxos moralistas contra os fraudes científicos…maass, ele não fala que mais de 20% das publicações dele (13/61) estão publicadas numa revista chamada “Comparative Biochemistry and Phisiology” da qual ele é editor… Será que na UnB sabem disso?
    abraços

    Curtir

  9. Mosca disse:

    Entao acham-se aqui alguns dos que postaram sobre os artigos dele no PubPeer!.. Exemplo da melhor postagem discutindo problemas em artigos dele abaixo:

    https://pubpeer.com/publications/17383940

    Vou dizer que nem acho nenhum absurdo publicar na revista em que se edita, pois sou a favor de publicar primeiro e ser exposto depois, como foi feito. Mas realmente o tratamento experimental dado a estes animais vertebrados em campo conforme criticado pelos comentaristas do PubPeer (vide fim do link acima) foi um verdadeiro absurdo, ao meu ver… Isso sim, merecia ser comentado pela universidade para coibir e orientar estudantes que isso jamais deve ser feito. Impressionante a revista ter publicado uma coisa destas sem questionar. Talvez por falta de um revisor real ou competente?..

    Curtir

  10. MORADORES DO GOLDEN PLACE disse:

    Esse tal de Marcelo Hermes deveria estar fora da UNB há muito tempo.
    É conselheiro do Condomínio Golden Place ao lado de um Sindica que tem vários processos nas costas até mesmo BUSCA E APREENSÃO…

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s