Dininha com a bola toda

Dininha com a bola toda

Turma da Mônica. Desenho de Maurício de Sousa.

E todo mundo dizia que Dininha, uma menina negra de 10 anos e que gostava de ler e escrever, achava a escola muito boa não só para brincar mas também para estudar, claro. Na verdade, seu nome era Maria Clara. Dininha é o diminutivo de Dina, ou Dona Dina, a Dinorá, cearense e mãe da personagem principal dessa história. Quase ninguém sabia o nome de Dona Dina, mas conhecia muito bem os deliciosos doces que fazia. O pai, Seu João, que nasceu em Tocantins na época em que ainda era Goiás, era motorista de transporte coletivo, mas só o chamavam pelo apelido de Buzina, pois tinha mania de cumprimentar com três buzinadas as pessoas que conhecia e via pelo caminho. Dininha tinha apenas uma irmã mais velha que se chamava Maria Aparecida, ou Cida, de 18 anos, que também gostava de estudar e vendia os doces que Dona Dina fazia, ajudando nas contas de casa. Dininha, Dona Dina, Buzina e Cida moravam juntos em um quartinho alugado na Ceilândia, região do Distrito Federal.

Dininha sempre estava alegre e brincando, mesmo que algumas vezes isso gerasse problemas. Os meninos da escola não gostavam de jogar futebol com ela. Diziam que ela era mulher e seu lugar não era no futebol, mas sim cuidando da casa. Que casa? Ela já tinham casa para cuidar? Mesmo se tivesse, é justo mulher cuidando da casa enquanto homens jogam futebol? Os meninos afirmavam que futebol era esporte de homem! Dininha não ligava e seguia fazendo seus gols, esforçando-se também para tirar boas notas na escola e dar um futuro melhor para os pais. Pensamento de gente grande em cabeça de criança: está aí outra característica de Dininha.

Num dia, apareceu outra mulher para jogar bola com a criançada. Essa mulher, que era adulta e amiga da professora da turma, fez tudo que podia no futebol: driblou, desarmou, deu chapéu, drible da vaca, embaixadinha, gol de cabeça, de bicicleta e tudo que tinha direito. Dininha, claro, ficou encantada com aquela mulher que jogava tão bem. Os meninos puderam ver que uma mulher pode jogar melhor do que os homens. Aliás, sem machismos: eles viram que mulher pode jogar e pronto! Daquele dia em diante, os meninos passaram a aprender muito com Dininha: matemática, linguagens, ciências da natureza, ciências humanas, artes e, é claro, futebol, a especialidade da garota.

Ah, sim, não podemos esquecer de apresentar quem foi a mulher que jogou futebol na escola. O nome dela era Marta. A jogadora era atacante da Seleção Brasileira Feminina de Futebol de Campo e foi muitas vezes considerada a melhor jogadora do mundo. Não era toda criança que tinha a sorte de treinar com a atleta, mais respeitada do que muito homem preconceituoso que poderia ter deixado Marta e Dininha sem realizar duas coisas que fazem muito bem: jogar futebol e combater intolerâncias.

Texto escrito em 14/03/2013

Ceilândia – Distrito Federal

Marta, jogadora da Seleção Brasileira Feminina de Futebol de Campo. A melhor jogadora do mundo.

Anúncios

Sobre ayanrafael

Pedagogo, Mestre em Educação pela Universidade de Brasília e graduando em Serviço Social pela mesma universidade. Professor de Atividades da SEEDF (Secretaria de Estado de Educação do Distrito Federal).
Esse post foi publicado em Uncategorized. Bookmark o link permanente.

2 respostas para Dininha com a bola toda

  1. MARCELO VALE disse:

    MACACO BURRO

    Curtir

  2. MARCELO VALE disse:

    Macaco safado
    seu preto de merda
    Você fez meu odio fluir……

    vai tomar uma punição exemplar.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s